Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Ouriço

MENU

Moody's corta rating de seis bancos alemães

 

Moody's corta rating dos três maiores bancos austríacos

 

Nada que não esperasse. Em Janeiro já tinha escrito o seguinte:

A encruzilhada onde a Alemanha se está a meter inconscientemente é algo que merece uma séria reflexão, tendo em conta a sua exposição à banca europeia. Ora vejamos:
Unicredit, o segundo banco Italiano mais exposto à divida soberana, é dono do HypoVereinsbank (segundo maior banco Alemão) e do Bank Austria (o maior banco Austríaco), pelo que a bancarrota italiana induziria um efeito borboleta na banca alemã, levando ao colapso de toda a banca alemã, e por contágio, a banca americana corriria o risco de entrar em insolvência, indo ao encontro da recente visão do profeta da desgraça sobre o cenário sombrio da economia dos states para 2012 assim como abrandamento abrupto do crescimento económico na China.
Leituras complementares: 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Voltando aos Feriados & Pontes

Faust Von Goethe 11 Jan 12

Tendo como mote os dados avançados ontem pelo Banco de Portugal, as declarações de ontem do Presidente da República e o post "Aumentar a produtividade é reduzir desperdícios" da semana passada, tomei a liberdade de (re)publicar um texto de minha autoria de Novembro 2011, onde fiz uma análise estatística da implementação dos feriados e pontes em 2012, em comparação com outros países da União Europeia.

O debate está (re)aberto!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quebrando pontes: Uma análise exploratória


             Existe um terrível problema de consciência que está em discussão mas sem um consenso alargado entre governo, parceiros sociais e igrejas: Feriados e pontes.

Para analisar de uma forma transversal a implementação desta medida, convido o leitor a analisar em conjunto comigo os seguintes exemplos (pior dos casos).

Observe-se primeiro que somos dos países da Europa com maior número de horas trabalhadas, atrás de Grécia, Polónia e Hungria e que curiosamente temos o mesmo número de feriados de países como Lituânia, Eslovénia e Áustria.

               Para perceber a tabela abaixo (dados relativos a 2010), interprete-se a proporção PIB/HT (divisão do PIB pelo número de horas trabalhadas) como a riqueza produzida por cada habitante por cada hora de trabalho.
 

 

Grécia

Polónia

Hungria

Portugal

Lituânia

Eslovénia

Áustria

Horas Trabalhadas (HT)

2106,264

2067,207

1960,51

1958,058

1882,472

1685,937

1637,118

Feriados (F)

12

10

10

13

13

13

13

PIB  (pcp/hab)

19 400

11 600

14 400

16 600

11 900

18 900

28 600

Proporção PIB/HT

9,210621

5,611436

7,34508

8,477788

6,321475

11,21038

17,46972

 

De acordo com este dado, somos levados a concluir que por hora de trabalho geramos menos riqueza que Áustria, Eslovénia e Grécia sendo que estamos próximos da quantidade de riqueza produzida pela Hungria.

Suponhamos agora que, seguindo a medida do governo para 2012 aumentaríamos em 30 minutos diários o horário do expediente e reduziríamos o número de feriados de 13 para 10 tal como no caso de Hungria e Polónia. Por uma questão de comparação, iremos supor as seguintes restrições:

  1. Cortaríamos apenas os feriados que ocorrem em dias de semana (2ª a 6 feira),
     
  2. Nenhum dos outros países iria fazer alterações no horário laboral,
     
  3. Em nenhum país se iria trabalhar a 29 Fevereiro 2012,
     
  4. Em todos os países se manteria constante o valor do PIB.

Tendo em linha de conta a perturbação que introduzi nos dados, pedia agora ao leitor que desse especial tabela abaixo as colunas que coloquei a vermelho:

 

 

Grécia

Polónia

Hungria

Portugal

Lituânia

Eslovénia

Áustria

Horas Trabalhadas (HT)

2106,264

2067,207

1960,51

2085,558

 

1882,472

1685,937

1637,118

Feriados (F)

12

10

10

10

13

13

13

PIB  (pcp/hab)

19 400

11 600

14 400

16 600

11 900

18 900

28 600

Proporção PIB/HT

9,210621

5,611436

7,34508

7,959501

6,321475

11,21038

17,46972

 

  • Comparando com a primeira tabela, o nosso rendimento por hora de trabalho (PIB/HT) baixaria aproximadamente para 0,5 pontos.
     
  • Comparando o número de horas trabalhadas de um trabalhador Português com as de um trabalhador grego,  trabalharíamos aproximadamente menos 20 horas, o que de certa forma equilibraria com os 2 feriados que eles teriam a mais em relação a nós.
     
  • Mesmo superando a riqueza produzida por cada trabalhador Húngaro em aproximadamente 0,6 pontos, trabalharíamos aproximadamente mais 125 horas, o que equivaleria a aproximadamente mais 15 dias úteis de trabalho ao fim do ano.
     
  • Em relação ao número de horas de trabalhadas de um trabalhador Português em relação a um trabalhador Esloveno, trabalharíamos aproximadamente mais 400 horas, o que equivaleria a aproximadamente mais 47 dias de trabalho ao fim do ano. Por outro lado, a diferença de rendimento por hora de trabalho de um trabalhador Esloveno em relação a um trabalhador Português seria aproximadamente de 3,25 pontos.



Chegamos assim ao fim desta análise exploratória de dados, tentando encontrar uma

resposta para o que aconteceria se tivéssemos que trabalhar mais meia hora de trabalho, supondo que queríamos manter o mesmo valor de PIB. Na conjuntura política actual, esta será provavelmente uma meta a fixar dada a eventual contracção da nossa economia.


*Os dados apresentados foram retirados do Jornal de Negócios (Edição 31 Outubro 2011) e do site www.europa.eu

 

 

 

FONTE: http://idp.somosportugueses.com/site/?p=5057

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds