Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Ouriço

MENU

Bancos sob investigação

Artur de Oliveira 6 Mar 13

Estão a ser investigados alguns bancos portugueses por alegadamente agirem em cartel. Será que é desta que se faz alguma justiça ou é só para se evitarem mais manifestações? É que por vezes os carteis são político-financeiros...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Crise artificial com consequências reais

Artur de Oliveira 14 Jan 13

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pergunto-me porque é que o BCE não pode emprestar diretamente aos países endividados em vez de ser obrigado a emprestar aos bancos, que por sua vez emprestam aos estados a juros altíssimos...

 

Porque é que os estados financiam os bancos em crise e em troca levam juros e prazos altíssimos bem como ingerência na própria política interna? Mais: Porque o BCE não pode emitir moeda?

 

Estamos perante um jogo viciado, uma crise que aparenta ser fabricada, artificial e contra natura e é caso para dizer: Quando os bancos não têm juízo, o povo é que paga...

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Génese da Crise

Artur de Oliveira 4 Dez 12

E foi assim que tudo começou: Fiat Crisis!

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A excepção que confirma a regra

Mendo Henriques 29 Jul 12

No meio da crise, no caso a espanhola, há quem saiba como a ultrapassar. É o caso do grupo Juan March, um banco com 242 agências com sede em Madrid. O capital pertence a uma única família e não está cotado na Bolsa. A família administra o grupo financeiro Alba, o holding de investimento fundado em 1986, e que é dono de ACS, Acerinox, Indra, Prosegur, Ebro Foods, Clínica Baviera, Pepe Jeans, Ros Roca, Flex, Mecalux o Antevenio. Criaram a interessante e poderosa Fundação Juan March. Na vertigem da crise, Juan March mantém intacta e de acesso livre ao público a paisagem de centenas de hectares em Maiorca e trata do seu jardim de 10 hectares, perto de Sevilha sobre o qual escreveu um livro. É considerado o banco mais solvente da Europa entre os 91 que foram sujeitos aos testes anuais de stress. E é dos únicos que nunca apostou na economia de casino. É a excepção que confirma a regra.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

Procura-se em Cash ou em Cheque!

Faust Von Goethe 3 Jul 12

 

Encontra-se desparecido da minha conta bancária, desde há dez dias, o meu subsídio de férias.
Há quem diga que o viu em Bruxelas, mas outros afirmam que o viram entrar para um Banco na Alemanha, de onde nunca mais saíu. Há ainda quem opine que simplesmente fugiu com um Ministro. Esteja onde estiver, deixou um grande vazio na minha vida (e sobretudo no meu bolso). A todos os que, como eu, sentem a falta deste amigo, peço que façam circular esta mensagem.

 

Assinado: Indignado Anónimo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Treinador de Bancada do Euro 2012-#2

Faust Von Goethe 9 Jun 12

Não estou a ver Espanha a pedir ajuda externa antes da próxima 3ª feira-um dia depois da tomada de posse de Luis Linde resp.
Soledad Núñez como novo governador resp. vice-governadora do banco de espanha.

Estão a ver Rajoy a formalizar um pedido de ajuda externa antes de ir a Gdansk assistir ao Espanha X Itália? Eu não, mas isso sou eu que não bato bem da bola.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Banco Santander

Faust Von Goethe 3 Jun 12

 

De acordo com rumores vindos de espanha, o Banco Santander apresenta uma dívida impagável de 800 biliões de euros, tornando-se cada vez mais evidente que este irá seguir as mesmas pisadas do Bankia.

Nem mesmo o acordo selado há dois meses entre Emilio Botín -director do Banco Santander- com um hedgefund de Fortaleza (Brasil), que permitiu ao Santander desfazer-se de activos tóxicos avaliados em 1200 milhões de euros a um preço de 31 milhões de euros (aprox. 3% do seu valor), parece ter resolvido o problema de fundo deste banco espanhol com ligações a Portugal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A crise Espanhola no fio da navalha

Faust Von Goethe 29 Mai 12

 

Na notícia do Público a respeito do Bankia e das yields da dívida espanhola, pode ler-se o seguinte:

A tranquilidade que Rajoy procurou imprimir na sua mensagem sobre a sustentabilidade da banca, num momento crítico da situação espanhola, quando a quarta maior entidade financeira deverá receber uma injecção de capital de 19 mil milhões de euros (montante que o El Mundo considerou “astronómico”) não foi suficiente para evitar um mau dia nas negociações na bolsa de Madrid.

Comentário:  O montante a ser injectado no Bankia é superior ao que a troika nos emprestou para recapitalizar a banca portuguesa-12 mil milhões de euros. Referimo-nos apenas a um dos bancos. Não sabemos ainda qual o estado de saúde de bancos com fortes ligações a Portugal como o Santander .

 

O mesmo jornal noticiava ontem que a injecção de capital que o Estado vai realizar no banco será feita, não através de dinheiro fresco, mas através de títulos de dívida pública. Mariano Rajoy sublinhou, depois de uma reunião do Comité Executivo do Partido Popular, que “não é a primeira vez” que é injectado dinheiro público numa entidade financeira em Espanha, numa referência às injecções anteriores feitas através do Fundo de Reestruturação Ordenada Bancária (FROB) durante o Governo socialista anterior.

 

Comentário: Ao invés de contrair dívida pública espanhola (ronda os 70% PIB) para financiar a banca espanhola, Rajoy deveria antes criar um "Bad Bank" para isolar todos os activos tóxicos do sector imobiliário dos restantes produtos financeiros à semelhança do que vem a ser feito no Japão.

Com esta solução, as empresas [espanholas] teriam de modificar a sua forma de financiamento junto à banca (aqui o estado poderia contrair dívida pública até aos 80%-85% do PIB com o objectivo de criar linhas de microcrédito especiais para as PME's) e grande parte das famílias com poupanças teriam de isolar o seu dinheiro, transferindo parte deste para poupanças aforro.

 

Adenda: A única desvantagem que vejo de momento nesta solução [que apresentei] é a elevada dependência dos aforradores.


Leitura complementar: In Japan’s Stagnant Decade, Cautionary Tales for America a.k.a Hiroko Tabuchi (2009)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Depois da crítica a Boaventura Sousa Santos pela sua entrevista ao Jornal i, Camilo Lourenço volta a apontar baterias ao [Dr.] Soares, também pela sua entrevista ao Jornal i

 

Sobre esta crónica, tenho apenas duas observações a fazer:

  • Camilo Lourenço, entre outros, ainda não perceberam que [Dr.] Soares é daqueles [dinossauros] políticos que gostam que falem dele, mesmo que falem mal. É sinal de que ainda está vivo e que [ainda] incomoda muita gente!
  • O recente elogio de Schäuble a Gaspar-não que não o merecesse*- faz parte de uma guerrilha de rapina, sem recurso a armas, com o objectivo de vir a tutelar, com a sua eleição para presidente do Eurogrupo-ou de alguém que partilhe dos interesses do governo de Berlim-, mecanismos de dívida como o Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF) assim como o Mecanismo Europeu de Estabilização (MEE), incluído no recente pacto fiscal assinado por 25 dos 27 estados membros, pacto esse que François Hollande pretende renegociar muito em breve.
É pena que Camilo Lourenço e muitos outros comentadores políticos, preencham páginas de jornais com assuntos que não têm qualquer interesse para a realpolitik-o primeiro ponto.

Já o segundo ponto [que mencionei] é aquele que nos interessa mais de momento, na eminência de virmos a precisar de um segundo resgate, caso Grécia saia da zona euro e/ou espanha peça brevemente ajuda externa. No caso Espanhol, esse impasse  que depende directamente do (in)sucesso da fusão em velocidade cruzeiro da banca espanhola** e consequente recapitalização. 
Em concreto, no caso de um país precisar de ser resgatado, de acordo com os actuais moldes, serão os países centrais como França,Finlândia,Holanda e Áustria que controlarão a emissão de títulos [de dívida], mantendo taxas de juro diferenciadas de país para país, o que pode vir a revelar-se uma grande armadilha ao ponto de vir a provocar ainda mais desiquilíbrios orçamentais no seio na zona euro, impossibilitanto estados em dificuldade de se financiarem, mesmo junto dos seus parceiros europeus. Suponho que não precise de dizer mais nada...

* O artigo científico de Vitor Gaspar em colaboração com Frank Smets e David Vestin, no qual foi introduzido um novo modelo neo-keynesiano [adaptivo] para a curva de Philllips (curva que relaciona o trade-off entre inflação com desemprego a curto prazo) tomando em linha de conta não apenas o investimento público mas também o investimento privado, é um dos artigos mais citados na comunidade [dos que trabalham no sistema financeiro] com 72 citações, superando inclusivé as citações a Mario Draghi.
** Com o processo de fusão de La Caixa-um dos principais accionistas do BPI-Isabel dos Santos reforçou a sua posição como accionista, tanto no BPI como na Zon.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Casamentos por Conveniência Dixit

Faust Von Goethe 25 Abr 12

Para quem não viu o documentário "Os Donos de Portugal", fica o vídeo deste para memória [futura]. Uma explicação de um dos organogramas do documentário pode ser encontrado no meu post de 23 de Abril.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds