Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Ouriço

MENU

O remédio para a reconstrução da economia europeia de modo a evitar uma futura guerra, passa pela formação de uma “União de Comércio Livre” entre os países europeus, incluindo as suas colónias

 

John Maynard Keynes em “The Economic Consequences of the Peace” (1919) 

 

Os argumentos que irei apresentar são puramente geopolíticos, tomando como referência o facto de últimos 1500 anos, a Europa-em especial o centro da Europa-tem sido um terreno fértil de lutas entre [as superpotências] Rússia, Alemanha, França, Reino Unido e Império Otomano [ao qual já pertenceu a Grécia].

 

 

Ora vejamos: Desde a criação da União Europeia (ex-CEE) o Reino Unido sempre lutou-e continua a lutar- para que não se criasse a Zona Euro. Por sua vez, por dissidências que remontam a II Guerra Mundial, os Alemães mesmo tendo uma moeda forte, viram-se na obrigação de criar uma zona euro-uma espécie de trégua aos aliados.
Por seu turno, os Franceses tiraram partido da fragilidade da moral Alemã-após a queda do Muro de Berlim- para abarcarem no projecto para criação da zona euro, na qual eles se iriam assumir como [os verdadeiros] líderes.
Suponhamos que-o pior dos casos- na eminência do default grego e de um pedido de ajuda externa por parte de Espanha, a Alemanha criasse uma nova zona euro de modo a ter total controlo na condução da política monetária através do Deustsche Bank Bundesbank-a zona euro 1 da figura-impondo condições mais restritivas que as actuais condições.
Nessa altura, Áustria, Bélgica, Estónia, França, Finlândia, Holanda e Luxemburgo e iriam pedir para aderir, de modo a evitarem a exposição aos PIIGS-E seriam todos automaticamente aceites com a excepção de França que apresentava um défice estrutural muito elevado. Irlanda, na eminência de ficar isolada em termos geopolíticos, iria pedir ao Reino Unido para a sua zona monetária, adoptando a libra.
França seria então "empurrada" para a zona euro 2 mas esta, pelo voz do [recém-eleito] presidente François Hollande, iria contestar a existência da zona euro 2 porque, seria por um lado uma demonstração de fraqueza perante a Alemanha e por outro lado, França precisaria dos PIIGS dentro da Zona Euro como contra-peso político para afrontar a Alemanha para evitar-em caso de eventuais resgates financeiros.
Em concreto, ficando na zona euro 2, teria que fazer o papel actual da Alemanha e resgatar a Grécia (3º empréstimo para fazer face ao default desordenado) Portugal, Itália e Espanha.
Na eminência de se poder continuar a financiar nos mercados, Portugal, Espanha e Itália iriam propor a França a emissão de eurobonds na zona euro 2. Esta ao recusar literalmente tal proposta, decidiria adoptar a sua própria moeda, conduzindo os restantes países a fazer o mesmo-Portugal, Espanha e Itália sem qualquer força política seriam forçados a voltar também às suas antigas moedas, induzindo mais defaults.
O preço a pagar por estar na zona euro 2 seriam taxas de juro altíssimas que teriam de pagar para se financiar nos mercados. Como consequência, o discurso da "falta de legitimidade democrática" iria-se tornar cada mais coercivo dentro (contextualize-se com a situação actual que se vive na Grécia).
 
E agora perguntam vocês:
O que pior nos poderia acontecer se a zona euro 1 entrasse em rota de colisão com a zona euro 2?
Seria a Alemanha voltar-se mais para Leste e Russia-com a admissão de países como Letónia, Lituania, República Checa, República Eslovaca, Suécia, Dinamarca, Polónia e Hungria na zona euro 1-ao par que França aliar-se ao Reino Unido e voltar-se para os Estados Unidos e China, o que em termos geopolíticos seria declarar o fim do projecto europeu, aquele que durante mais de 50 anos assegurou um clima de prosperidade e paz no velho continente. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Controversa Taxa TOBIN

Faust Von Goethe 8 Jan 12

Factos a reter a propósito da controvérsia em torno da taxa TOBIN:

 

1) Wall Street e City Bank a City Londrina estão contra a implementação da taxa TOBIN sobre operações financeiras;

2) Cameron já defendeu manifestou-se totalmente contra a implementação desta taxa na última cimeira da zona euro;

 

3) Sarkozy diz que a França adoptará a taxa antes do final de Janeiro, próximo da cimeira de 30 Janeiro 2011, para dar o exemplo;

4) Merkel e Monti pretendem que a taxa seja aplicável a nível da UE em bloco e não isoladamente como a França pretende;

5)  China e os EUA estão contra a implementação desta taxa para transacções a nível mundial;


6) Esta taxa apenas tributará 0,1% sobre as operações relativas a acções e obrigações e 0,01% sobre as restantes operações financeiras.

 

 

Contas feitas, esta poderá render à União Europeia  55 mil milhões de euros ao ano, o que equivale a 70% do resgate da TROIKA a Portugal.

A esta medida ir avante, serão os maus dos bancos a ser solidários com os novos ricos do Sul e não os pobres dos alemães.

 

PS: Amanhã, o casal Merkozy deverá discutir a implementação desta medida em Berlim. Estejam atentos aos (Tele)Jornais ;).
 

 Na imagem, James Tobin, prémio nobel da Economia em 1981.



AGRADECIMENTO: Obrigado ao manuel.m por rectificar as gralhas os pontos 1) e 2) em comentário. Estes já foram corrigidos no post. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Momento Esquizofrénico

Faust Von Goethe 7 Jan 12

 

Quem chegar perto das portas de Bradenburgo, em Berlim, e pretender experimentar um jaguar no stand que fica do lado oposto à embaixada russa, tem que facultar o cartão de crédito de modo a que os vendedores verifiquem se potencial comprador tem garantias na conta bancária suficientes para assegurar que o carro será pago!
Por cá qualquer pé rapado, como eu e provavelmente o leitor, pode chegar por exemplo a um stand da Volvo ou BMW  que não lhe exigem qualquer garantia antes de experimentar o carro ou talvez sim: Ir bem vestido.

Mas ir bem vestido, por exemplo com um fato Louis Vuiton pode ser fachada, pois o fato pode ter-lhe sido emprestado, logo poderemos estar a lidar com um hipotético activo tóxico:não está garantido que o tipo bem vestido irá comprar o carro no final ou se terá dinheiro suficiente pagar o fato, no caso de o rasgar ao entrar para experimentar a "bomba".
MORAL DA HISTÓRIA: Os alemães estão correctos. Incorrecta é a sua obsessão em pensar que os outros terão de ser exactamente como eles.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds