Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Ouriço

MENU

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em 1887 Friedrich Nietzsche foi ainda mais longe que Adam Smith. Na obra Sobre a Genealogia da Moral, afirma que o acto simultâneo de compra e venda precede qualquer outro modo de relação humana. O "diálogo" mais antigo, no seu entender, seria aquele havido entre um devedor e o credor. Nesse confronto, a unidade de medida seria o próprio sujeito colocado em crispação com outro indivíduo. A fixação do valor tornou-se assim uma obsessão psico-material, transversal a todos os períodos históricos, porventura desde a primeira macã, a dentada inaugural. No fundo trata-se de um processo de introspecção, a descida às profundezas, à mina do nosso espírito, uma viagem de valor incalculável e receitas parcas. E eis que nos encontramos nessa malha crítica. Na tabela que pretende estabelecer a hierarquia de valor que não corresponde necessariamente ao intrínseco, ao perdão. A culpa, resultante da tempestuosidade da relação entre credor e devedor, também não cai em saco roto. Em língua Alemã - Geld (dinheiro) - aproxima-se de Guilt (culpa) e Schuld significa simultaneamente dívida e culpa. Por conseguinte, já que invocamos o pecado, a única agência de rating habilitada para anular a dívida será a entidade divina. E poderemos perguntar: será que os sacrificios de hoje resultarão numa nova doutrina menos calva e mais Calvinista? Ou continuaremos a eternizar a distância entre a posse e os bens materiais, o bem maternal?...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Perdoa-lhes (as Dívidas) Senhor

Faust Von Goethe 29 Abr 12

Perdoa-lhes as dívidas Senhor [Estado] porque eles não sabem o que fazem!

 

Já ao Zé-não o Zé Socras- saca-lhe o subsídio de férias e natal, prometendo-lhe a salvação [até descobrirem o próximo buraco orçamental]!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Méritos & Créditos Alardo(s)

Faust Von Goethe 15 Abr 12

 

A economia portuguesa é uma economia essencialmente assente no estado, pelo que sem investimento por parte deste,muito dificilmente alguém o fará pois grande parte dos empresários não possui capitais próprios para investir, e os que os têm, não o investem.

 

Com o recurso excessivo ao crédito, os custos de produção aumentaram nos últimos anos de forma significativa. Veja-se o caso de Sousa Cintra. Lançou as suas fábricas de água e cerveja aqui e no Brasil. Tudo faliu, algumas antes de iniciarem a actividade. Por mais surpreendente que pareça, as perdas em termos de capitais próprios foi nula. No entanto, muito desse dinheiro estamos a pagá-lo com créditos não recepuráveis da Caixa [Geral de Depósitos]. Percebe-se agora que o o único risco do investimento passava essencialmente por ganhar e enriquecer. 

 

Infelizmente estamos agora a ter o reverso da medalha. Não existe ninguém [a nível internacional] que queira custos acrescidos de investimento, a menos que haja algumas boas contrapartidas. No entanto, os únicos recursos seriam turismo e no mar. O primeiro é maltratado e o segundo foi abandonado, muito em parte devido às políticas da união europeia, mas acima de tudo devido ao nosso conformismo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Bazuca do BCE II

Faust Von Goethe 29 Fev 12

Mario Draghi disse na última conferência de imprensa que sobretudo esta segunda operação de cedência de liquidez a longo prazo seria um apoio para as pequenas empresas. Pelo menos à escala do euro, a ambição de Draghi poderá ser conseguida. Os dados de Janeiro do BCE sobre a circulação de moeda (M3) e sobre os empréstimos ao sector privado já mostraram alguns sinais de que o primeiro leilão já teve efeitos positivos discerníveis na economia real. Em Portugal, esse particular torna-se mais complexo porque, por força do esforço de desalavancagem a que a banca nacional está obrigada, os efeitos poderão ser limitados. Em concreto, a banca comprometeu-se a ter um rácio de transformação (depósitos vs crédito) de 120% até 2014. Nesta altura, em média, esse rácio ronda os 140%, o que significa que a banca terá de angariar mais depósitos e conceder menos créditos a empresas e famílias.

"Estas operações não resolvem os problemas estruturais ou de solvência que existem na Zona Euro, mas dão realmente aos investidores uma indicação de que o BCE está mais disposto a apoiar o sistema financeiro incondicionalmente"

 

Fonte: Jornal de Negócios

Autoria e outros dados (tags, etc)

Super Mario segura colunas do Partenon

Faust Von Goethe 9 Fev 12

 

Não posso dizer nada acerca das obrigações gregas. Mas posso dizer que há uns minutos tive uma chamada de responsáveis gregos a dizer que houve um acordo entre os principais partidos.

 

Mario Draghi

 

 

Sem dúvida que a intervenção de Mario Draghi foi decisiva na resolução do impasse grego. Próximo desafio de Super Mario passa por resolver o problema de acesso ao crédito na banca europeia.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

È possível sair da Crise

Jack Soifer 20 Jan 12

 

 

Há medidas que só as Finanças podem decidir em Portaria: por exemplo, eliminar em 2012 o crédito para consumo de supérfluos e focar o crédito imobiliário em recuperar imóveis antigos. Aumentar o tecto do subsídio para paineis solares e torná-los obrigatórios no Centro e Sul. Isto numa primeira fase traria muito trabalho às instaladoras eléctricas e canalizadoras, reduzindo o desemprego e, numa segunda, nos traria indústrias modernas.

As mini-eólicas para moradia suburbana ou rural são fáceis de produzir em boa oficina mecánica e usam materiais nacionais.

Precisamos focar mais na Agrotech. Temos 3000h/ano de sol. Os maiores exportadores de flores e algumas plantas ornamentais da Europa estão por cá e são estrangeiros; p.ex. Von Rosen em Moncarrapacho e um escocês em Silves. Há muito mais flores por exportar. Tambem temos a Hubel em Olhão, cujos morangos e framboesas chegam à Rússia e Finlândia. A flôr de sal de Tavira chega aos bons restaurantes da UE. Temos enorme potencial em extracto de esteva para adoçante para diabéticos, algas para pigmentos para cosméticas e farmacéuticas, e para alimentos especiais. Dos citrícos, por cá desprezados, devido ao duopólio na indústria de sumos, obtem-se aromas para a indústria cosmética.

Há milhares de privados, especialmente estrangeiros, com lotes rurais onde gostariam de construir, mas a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional impede-os de o fazer, pois lá não há ruínas; ou não permitem que expandam as áreas. Ora, permitir horríveis aldeamentos perto da orla costeira, já com enorme densidade e impedir casas isoladas ou pequenas vilas no interior, é impedir o desenvolvimento onde ele é mais necessário. Devemos copiar países modernos, onde a autorização é delegada à Ordem Distrital dos Arquitectos até um limite, como 3 pisos em 2.000m² de área construída. Eles têm bom senso, bom gosto e transparência.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Momento Esquizofrénico

Faust Von Goethe 7 Jan 12

 

Quem chegar perto das portas de Bradenburgo, em Berlim, e pretender experimentar um jaguar no stand que fica do lado oposto à embaixada russa, tem que facultar o cartão de crédito de modo a que os vendedores verifiquem se potencial comprador tem garantias na conta bancária suficientes para assegurar que o carro será pago!
Por cá qualquer pé rapado, como eu e provavelmente o leitor, pode chegar por exemplo a um stand da Volvo ou BMW  que não lhe exigem qualquer garantia antes de experimentar o carro ou talvez sim: Ir bem vestido.

Mas ir bem vestido, por exemplo com um fato Louis Vuiton pode ser fachada, pois o fato pode ter-lhe sido emprestado, logo poderemos estar a lidar com um hipotético activo tóxico:não está garantido que o tipo bem vestido irá comprar o carro no final ou se terá dinheiro suficiente pagar o fato, no caso de o rasgar ao entrar para experimentar a "bomba".
MORAL DA HISTÓRIA: Os alemães estão correctos. Incorrecta é a sua obsessão em pensar que os outros terão de ser exactamente como eles.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds