Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Ouriço

MENU

Canibalismo

John Wolf 11 Jan 12

Assistimos ao despontar de uma nova era. Um festim de tira-teimas e ver se te avias. A derradeira montra das setas atiradas ao lado. O cúmulo da falsa tolerância. A viagem de um comboio sem maquinista. A expressão máxima do sistema de castas (de castings!) que morde o calcanhar de um Aquiles coxo. Meus senhores, e minhas senhoras, o espectáculo já começou. E é um circulo de feras que rodopia, enquanto se morde a cauda destapada e à vista de todos. A estreia de um exibicionista vulgar embandeirado num arco irrisório. Está aberta a estação. Abriu oficialmente a época de caça, de canibalismo desenfreado, irracional, sem utilidade aparente. A consanguinidade cultivada sem vergonha na escala do poder, no partidarismo, na cultura, nas artes, nas amizades convenientes, nas falsas amizades, comprada com pilim sujo, vendida por divisa igual, tinha de dar nisto. No descalabro, uma salganhada poupada para este momento auspicioso que reabilita velhas guerras, dissabores e enteadas. Toca a bater a torto e a direito, que assim se chega ao sagrado, à flagelação pelos altos e baixos da fé. Oremos sem dor. O que nos resta agora no novelo de desperdícios. A dignidade, já não sei. Ainda a missa vai no adro. Ainda a mossa é pequena. Venha de lá o seguinte. Façam girar a tômbola, e às escuras com um foco intencional levantem do chão uma nova inquisição. Vida de cão. Talvez seja preferível.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds