Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Ouriço

MENU

Egan Jones: Portugal cai em 2014

Jack Soifer 9 Abr 12

 

 

 

 

 

 

 
 
 
 

 

Sean Egan, o Presidente da Agência de rating Egan-Jones disse ao Frankfurter Allgemeine que "quando a economia de um país se retrai de forma tão significativa e, simultaneamente, os juros das obrigações a dez anos vão para 10%, a situação é insustentável".

 

No Prós e Contras de 01/03/10 eu disse que Portugal estava numa depressão (longa recessão), que outros países levaram 8 anos para dela sair.

 

Em 30/10/11 publiquei no InfoSul:

 

A crise foi há muito prevista, eu próprio dela alertei em11/11/04 no Avezinha, um semanário algarvio. Por que é que os responsáveis dos Bancos Centrais nada fizeram?” E sobre prazos e montantes do resgate: “… Portugal precisará de 180 MM€ e pelo menos 12 anos de prazo”.

 

No início de Abril/11, condenei os ratings no Vida Económica: “Por que é que as agências de foram tão afáveis com Grécia e Portugal quando já os deveriam ter rebaixado em 2007?”

 

InfoSul: “Em Junho veio o que há muito eu esperava, mas exagerado e de uma só vez. Não é nem luxo nem lixo! Se não é ciência por que pagar caro a agências apenas para dar uma opinião? Opinião escreve eu de borla em vários jornais. Se notação é um polished guess, então é mais barato ouvir os magos africanos que anunciam no Destak, Metro, etc”.

 

As explicações são antigas, por exemplo no Expresso de 07/01: “Os números do AICEP mostram que o IDPE (Investimento Português no Exterior) aumentou de 2010 para 2011: Janeiro a Outubro do ano passado, o investimento total no exterior ascendeu a 9.505 milhões de euros, mais que os 6.866 milhões do total de 2010”. No livro "Como Sair da Crise" escrevi que desde 1990 os grandes grupos empresariais mais lucrativos enviam para a Holanda e offshores uns 7 a 9MM€/ano, o que reduz a liquidez para a economia crescer.

 

Há países na UE que têm óptimos resultados económicos. A Suécia teve um crescimento do PIB de 4,4% em 2010 e 4,8 em 2011. O emprego cresceu 0,3%, a construção 13: faltam técnicos. Já vieram a Portugal recrutar jovens engenheiros.

 

A República Checa, como a Suécia, tem quase a mesma população que Portugal. Lá o PIB em 2011 teve +2,2%, emprego +2,1% e a construção +4%.

 

Na Polónia, mais populosa, o PIB cresceu 4%, o emprego 3,6%, a construção 11%, esta explicada por uma grande procura real, sem especulação.

 

Novamente, do InfoSul 30/10/11: “Por cá, a não ser que sejam feitas substanciais alterações ao memorando da troika, estimo ao fim de 2012 ou início de -13 um desemprego de 20% que pode chegar aos 24% no Algarve e a consequência será um grande aumento da criminalidade e da economia paralela”.


Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds