Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Ouriço

MENU

Coitadinho do Marinho

Artur de Oliveira 17 Set 14

 

Tal como o mítico Alien, Marinho Pinto foi hospedeiro de um corpo chamado MPT. Quando deixou de ser útil, Marinho e Pinto decidiu tentar fazer a sua ninhada em corpo novo. Pensa-se num nome tão original como Partido Democrático Republcano (pensará ele que é o novo Afonso Costa?).  Agora utilizando a metodologia utilizada antes por Cavaco Silva e a ministra das finanças, queixa-se que ganha mal para cativar os cidadãos e dizer que é um de Nós. Se antes as pessoas não cairam nesse truque do coitadinho, agora muito menos, amtes pelo contrário consideram com o seu bom senso que essas declarações são um insulto e que estão a ser tomadas como néscias. Marinho e Pinto é uma fórmula esgotada e aparentemente a única salvação para ele é aliar-se ao PS caso Seguro ganhe a Costa, visto ter acusado o edil de Lisboa de ter provocado a crise no partido rosa (e com razão). Esperemos que o actual Secretário Geral do PS ignore o Alien, a bem de uma democracia e uma política mais salutar em que se dispensam pseudo-políticos que nasceram em programas matinais a dizer o que os velhinhos gostam de ouvir. Para isso teríamos certos taxistas ou motoristas de autocarro que provavelmente fariam melhor figura que Marinho Pinto seja em que parlamento fôr. O facto é que pelo menos na política nacional hà já uma lufada de ar fresco de e para Nós, Cidadãos. Aproveitemos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Psicose Pós-Sócratica

John Wolf 28 Mar 13

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Começo seriamente a pensar que Portugal deseja sofrer. Quase não tenho dúvidas que Portugal tem o que merece. No rescaldo de um programa de televisão que ontem não vi, e das palavras discorridas por um senhor que não escutei, mas baseando-me na vox populi das redes sociais, posso concluir que este país está condenado. Está arrumado por não ter meios intelectuais para realizar a destrinça entre a arte de ludubriar e o valor substantivo das acções e palavras. O país parece cair que nem um patinho na sedução gasta de um vendedor de banha da cobra. Uma pessoa desprovido de nojo, das sensações que equipam os homens sensatos, uma condição simultaneamente profunda e cutânea a que chamamos consciência e que torna, os convictos caídos em si, caídos em desgraça - humildes e arrependidos. Chamemos-lhe "ser cristão", se quiserem. Nem a matriz católica do país parece servir para actos de constrição. Em vez disso temos erva daninha que cresce em redor do templo, da reserva. Apenas os indivíduos dotados de um super-ego podem atropelar sem hesitações os direitos dos outros, e julgarem-se os primeiros mesmo que já estejam derrotados. Parece que Portugal sofre de uma doença regressiva, uma especie de Alzheimer político e selectivo que oblitera o percurso negativo de um homem e que elogia a capacidade para arranhar quem quer se lhe atravesse pelo caminho. O regresso às cavernas parece um dado adquirido - quando a população aplaude o espernear de um bicho ferido. O desempenho instantâneo e brutal tomou conta do país político. Os ganchos e os socos dados por cima e por baixo. Assistimos à potência hiper-ventilada de faladores desprovidos de ética, que demonstram os seus talentos em duelos absurdos, em concursos para ver quem consegue botar-abaixo mais vómitos, e ainda maiores indisposições. Os assistentes são como claques de mentecaptos que anulam a grande obra humana. O país requer urgentemente um movimento sem face, sem aparência, sem hábitos ou vestimentas. Os intelectuais que invocam a liberdade de expressão e a Democracia, podem também invocar outras emendas que não a quinta, para salvar o país. A esquerda caviar ou a direita esclarecida, culpadas por esta transmissão televisiva e igual número de eleições, pode sair do seu falso exílio, o paradigma de cocktails e cultura onde discutem justiça social en passant, em redor de uma mesa de politicamente correctos. E essa corja que diz que nada tem a ver com o estado em que se encontra o país, também tem um pouco do DNA do mesmo embuste. O desejo de uma vida glamour, de privilégio, de sobranceria intelectual, de Paris. O que se nos apresenta é um caso de psicose colectiva, um comportamento desviante praticado por uma larga maioria televisiva pouco interessada em política, mas muito dada a novelas. Estou raivoso, sim senhor.

 

(publicado em primeira mão no blog Estado Sentido)

 

http://estadosentido.blogs.sapo.pt/2675119.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pedido aos Laffer's de Bancada

Faust Von Goethe 3 Jul 12

À atenção do João MirandaJoaquim CoutoPriscila Rêgo, Insurgentes e Samuel de Paiva Pires e restantes Laffer's de bancada: Deixem-se de teorias económicas-que no momento actual não servem de muito-e façam como João Duque. Peguem em lápis/caneta e papel e tentem, usando matemática e bom senso, de sugerir medidas que permitam estimar o défice do trimestes Julho-Setembro e Outubro-Dezembro.





 

Adenda #1: Seguindo uma linha semelhante à de João Duque, estimo que a meta do défice-na melhor das hipóteses-fique pelos 6.3%.


Adenda #2: Para que fique registado, terei o maior gosto em oferecer um jantar a Vítor Gaspar no Restaurante Tágide, caso ele supere este valor sem adoptar quaisquer medidas extraordinárias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Curva de Laffer: A saga continua...

Faust Von Goethe 29 Mai 12

JoaoMiranda continua a sua saga em torno da Curva de Laffer depois de confundir o conceito de Curva de Laffer com o conceito de crowding-out no post anterior.

 

Já o Samuel de Paiva Pires, em resposta ao post anterior de JoaoMiranda fala no "efeito Laffer" sem especificar a que dito efeito se refere. 

Agora pergunto-me eu. Será que o dito efeito se resume à seguinte permissa?

Segundo Laffer, o caminho para atingir uma colecta mais elevada-pico da curva-corresponde à harmonização do investimento dos privados face aos seus interesses antagónicos e à taxa de imposto cobrada. Para se atingir este pico (ou ponto de equilíbrio), é necessário um mecanismo de política monetária que permitam, se necessário, a desvalorização cambial.

 

Pena que o JoaoMiranda não se tenha lembrado de refutar com base numa das permissas que inclui no meu post [e/ou artigo de opinião disponível na página do IDP]:

Quando em Portugal, na impossibilidade de aplicar a desvalorização cambial, se pretende aplicar uma desvalorização dos custos do trabalho (redução de cerca 20% do salários da função pública, como defenderam economistas como Ernâni Lopes, Vitor Bento e Paul Krugman), ao mesmo tempo que se aumenta impostos, estas duas medidas anulam-se entre si.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Curva de Laffer outra vez? Oh no!

Faust Von Goethe 28 Mai 12

Obrigado ao JoaoMiranda do Blasfémias e ao Carlos Santos do Estado Sentido por reacenderem o debate em torno do modelo da Curva de Laffer.

 

O JoaoMiranda associa a escassez de crédito a uma eventual bancarrota do sistema bancário, o que é redondamente errado. A escassez de crédito deve-se essencialmente ao facto dos bancos deterem nos seus balanços elevadas quantias de dívida pública, quantias essas que consomem recursos e limitam o crédito. Portanto, ao contrário do que diz Carlos Santos, não são os privados que estão a suportar a despesa pública mas os bancos.

 

A explicação é bastante simples:

Por cada 100 euros de dívida pública comprada pela banca Portuguesa, o BCE apenas empresta entre 90 e 95 euros. Logo, esta compra retira entre 5 a 10 euros que poderiam ser usados em alternativa para crédito a particulares.

Ou seja, sempre que um banco [português] vai ao mercado comprar dívida pública, mais dificilmente conseguirá obter a partir de empréstimos interbancários, financiamento a taxas de juro mais baixas. Como consequência, terá que cortar no crédito.

Portanto, se os bancos detiverem quantidades elevadas de dívida pública, terão menos recursos disponíveis para o investimento privado, logo crowding out pois o abater da despesa pública com recurso à banca consome recursos que poderiam ser usados para investimento por parte da economia.

 

Fonte:Lucrar com a nossa própria desgraça II

Autoria e outros dados (tags, etc)

Curva de Laffer pela blogosfera

Faust Von Goethe 23 Abr 12

O meu obrigado a:

por terem mencionado a Curva de Laffer para contextualizar o desempenho desastroso da execução orçamental.

 

O meu muitíssimo obrigado à direcção do IDP, por ter permitido colocar em tempo oportuno, o meu artigo de opinião "O erro de Gaspar"-também publicado por aqui- onde foi explicado, com recurso a este modelo, onde está a falha da política orçamental, em jeito de antecipação aos números divulgados há dois dias nos jornais; Ao(s) webmaster(s) do IDP por terem publicado e colocado a circular por blogosfera e redes sociais.

 

Mais uma vez, o IDP antecipou-se e marcou pontos importantíssimos na esfera do pensamento [democrático] independente.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Protectorados versus Diáspora

Faust Von Goethe 28 Jan 12

Ao ler pela blogosfera as seguintes entradas sobre da eventual perda da soberania grega a troco de uns milhares de milhões de euros e mais austeridade:

lembrei-me que se calhar tudo isto não passa de uma questão de diáspora, mais propriamente de língua. Ora vejamos:

  • Os americanos nunca nos imporão a política do protectorado porque o inglês é uma das línguas mais faladas em todo o mundo.Portanto, estarão sempre dentro e fora da Europa pela questão da língua; 
  • Os Chineses também nunca virão para cima de nós com a política do protectorado, pois por esse mundo fora mais de mil milhões de pessoas falam mandarim.
  • Nós, nuestros hermanos e os países latino-americanos cá nos vamos entendendo. Todos juntos perfazemos mais de 750 milhões de pessoas. 
  • Curioso é reparar que línguas como o Francês e Alemão estão em declínio...
Talvez seja esta a explicação porque os franceses se estão a voltar novamente para o Norte de África, ao par que os Alemães, bloqueados pelas restantes línguas ocidentais, depois da expansão frustrante para Leste, tentem ocupar agora os periféricos da zona euro, substituindo a expansão da língua por violentos programas de austeridade.
EUREKA

Autoria e outros dados (tags, etc)

Soberania em Risco: Visão de um Tecnarca

Faust Von Goethe 24 Jan 12

 

 

A propósito da recente discussão em jeito de ping-pong sobre a temática monarquia versus república que decorre por aqui e nos blogs delito de opinião e estado sentido, gostaria de dar a minha colherada. Ora cá vai :

 

Eu que nem sou republicano nem monarca mas um tecnarca como me apelidou o meu colega de escrita, Artur de Oliveira, prefiro ver as coisas do prisma: Primeiro debate-se os problemas sociais e só depois se debate a ideologia e o regime. 
Indo ao encontro dos monárquicos: Reza a história que no pós-ultimato inglês, muitos dos ditos monárquicos venderam-se aos republicanos por meros interesses. E assim pum: Implantou-se a I república.
A agiotice dos nossos políticos da época que fez com que nem republicanos nem monárquicos encontrassem soluções para o país, permitindo o golpe estado 1926 e consequente subida Salazar ao poder. Temos de reconhecer que Salazar percebia, para além de finanças, de xadrez pois sabia jogar em vários tabuleiros em simultâneo. Foi com Salazar que Portugal voltou aos mercados financeiros depois da bancarrota 1892, muito às custa do ouro Nazi. 
Relembro os demais que a bancarrota foi provocada em grande parte pela ida das cortes para o Brasil e pela independência deste.

 

PERGUNTA: será que Passos Coelho e Paulo Rangel lembram-se deste pormenor histórico quando incitam à emigração? Hum... 

 

Reza também a história que Salazar não consegui prever a tempo as incursões de Kenedy e mais tarde Nixon (próximo UNITA), Khrushchov e mais tarde Breznev, e inclusivé por Fidel (próximo MPLA) que apoiavam as nossas colónias fornecendo-lhe armamento. Aqui o jogo deixou de ser xadrez e passou mais a arte da guerra de Sun Tzu, um dos livros preferidos do fotógrafo de serviço aqui do estabelecimento: Adivinhem quem é :).
O nosso erro enquanto nação começou por não se ter sabido fazer a descolonização e/ou reestruturar as colónias numa espécie de Commonwealth. Relembro este facto pois há tempos celebrou-se os 50 anos da rendição do exército português na India.
Com o 25 Abril 1974, uma revolução romântica mas deveras mal estruturada pelos ditos capitães de Abril, deu um senhor rombo na nossa economia, provocado em grande parte com a vinda dos retornados das ex-colónias de mãos a abanar.

Juntando isto à nacionalização massiva de bancos e empresas, não restou outro rumo aos nossos bravos defensores da liberdade que dizer "Hilfe Hilfe! Wir Koennen IMF". E com isto já vamos em 3 chamadas:1978, 1983, 2011. Não acham que é demais?

Ao continuarmos com este tipo de ingenuidades, em nada resolveremos os reais problemas do país e ao nosso rei do tabuleiro é-lhe feito mate, xeque-mate.

O nosso rei não é o Cavaco nem outro qualquer. O nosso rei é nossa soberania enquanto nação!

Está nas nossas mãos evitarmos que nos façam xeque-mate.

PS: A dívida que contraímos em 1892 foi apenas liquidada em 2001, um ano antes de entrar em circulação o euro. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ética relespublicana

Artur de Oliveira 24 Jan 12

 

 

 

 

 

 

Pedro Quartin Graça arrasa esse mito da ética republicana no Estado Sentido. Aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds