Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Ouriço

MENU

Música adequada á situação grega

Artur de Oliveira 21 Fev 12

A letra diz tudo... 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Fica em casa, filha!

John Wolf 17 Fev 12

Não estão a perceber nada. Quando o novo cardeal Manuel Monteiro de Castro afirmou que a mulher deve ficar em casa, estava a referir-se à Angela Merkel.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Merkel acusada

Artur de Oliveira 16 Fev 12

"Merkel está a destruir a Europa, concretamente a democracia na Europa, mas também a coesão social..."

 

 

Oskar Lafontaine, Ex-Ministro das Finanças Alemão aqui

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Queda do PIB, Merkel e Grécia

Jack Soifer 16 Fev 12

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Não tenho nenhuma bola de cristal. Apenas leio nas entrelinhas, aprendi algo de estatística e econometria e tenho amigos gregos. Haverá um golpe na Grécia.Não só os jornais alemães, mas também os economistas que são os “five wise-men” para assuntos económicos, liderados por Peter Bofinger, segundo recentes declarações, já disseram que a Frau Merkel não tem a coragem para tentar convencer os eleitores de que os Eurobonds são uma solução para a atual crise do Euro.

 

 

O Governo divulgou que o PIB caiu 1,5%. Eu tinha previsto uma queda de 3% e ficou pelos 2,7%. Onde está a disparidade? Nas estatísticas imprecisas do INE e numa contabilidade pública que difere da UE.

 


Quando um fornecedor entrega mercadorias á
 consignação, ele emite apenas uma guia. Mas a Bertrand, SONAE, etc, por exemplo, podem registar como stock e até como um ativo. Isto demonstra um aumento no PIB, apesar de o produtor não receber pela mercadoria e, assim, não poder pagar aos seus fornecedores nem aos seus colaboradores. Este truque dá a impressão que o PIB é maior do que é na realidade. 

 

 

 

É bom para as grandes empresas, que podem dar a impressão ao banco que têm maior liquidez ou solidez, sendo também bom para os teóricos do Ministério das Finanças, que podem mostrar um PIB melhor e assim um potencial de receitas mais elevado do que o real. Já a contabilidade das PME´s mostra falta de liquidez e de solidez e impede-as de obter mais empréstimos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sem Rei nem Roque

Artur de Oliveira 6 Fev 12

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sobre os aumentos do preço dos transportes e as suas consequências para a sociedade civil, as greves constantes, a incompetência dos gestores públicos escolhidos pela cor política e não por mérito,  a austeridade excessiva e a inoperância da governação e do regime, lêr aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quem manda na União Europeia

Jack Soifer 5 Fev 12

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Aos Domingos invisto algumas horas a ler sobre a União Europeia real, no Frankfurter Allgemeine, Welt am Sonntag e/ou Sued-deutsch Zeitung; é muito diferente do que se lê por cá.Quando publico nas colunas de terça-feira no OJE e de quinta-feira na VisãoOnline Altavisa o que vai ocorrer e depois se concretiza, alguns conhecidos meus perguntam-me se eu tenho uma bola de cristal.

 

Repito a conhecida frase de Sócrates, o sábio grego (não o auto-exilado em França)"Sei que nada sei", mas acrescento "mas penso que sei quem sabe". Hoje é fácil investigar pela Internet e ler publicações sérias, comparar e tirar conclusões.

 

 

Li, por exemplo, que a Sra.Merkel está desesperada a caçar votos para as eleições. A oposição conta com 53% de votos e que mesmo que o FDP não alinhe, ganhará ainda assim. Daí ela estar a pressionar a UE para assinar o proposto tratado supra-constitucional.

 

Quem conhece os políticos e a constituição da Finlândia, por exemplo, sabe que mesmo que o Primeiro Ministro assine e que o parlamento o aprove, qualquer pessoa pode solicitar a impugnação e a não publicação do tratado e qualquer juiz será obrigado a proceder em conformidade.

 

Li ainda que a Schaffermahl, um jantar que se estende por cinco horas com os mais importantes decisores da justiça e da economia do Norte da Alemanha, em Bremen, um clube muito fechado, está a exigir mudanças radicais. É tão poderoso este grupo, que o único no Wikipedia dos que lá mandam é Stephan Andreas Kaulvers. Dos outros, sabe-se por amigos, que dominam o Platendeutsch, exigido na complexa cerimónia de beber um schnaps em colher de prata, para selar uma amizade.

 

Impressiona-me que os jornais portugueses misturem economia e finanças, em alemão Wirtschaft e Finanzen, com páginas e até cadernos separados, como “Dinheiro” ou Geld em alemão. A imprensa portuguesa ataca o défice, que é o efeito e não a causa da crise. Aqui valoriza-se o que se diz em Frankfurt, devido ao poder do Deutsche Bank e do BCE. Mas é em Colónia, Stuttgart, Bremen e Munique onde as decisões são tomadas, nas lojas, herdades de caça e herdades vinícolas. São as relações pactuadas durante o pós-guerra que realmente contam e Angela Merkel não esteve lá.

 

Conclusões:

 

1.Merkel tudo fará para obter a a assinatura dos chefes de Estado da UE no tratado, mesmo que ele não seja posto em função, para "mostrar" algo aos eleitores. E se for reeleita, dirá que há povos que não são de confiança.

 

2. A Chanceler alemã já conta que a Finlândia, Dinamarca, Áustria, Hungria, República Checa e Irlanda, provavelmente não poderão transpor o tratado para a sua constituição, sem duas votações em anos separados, nos seus parlamentos. Pois nenhum Primeiro Ministro tem coragem de fazer o referendo.

 

3. Há um movimento forte para a Alemanha sair do Euro, para evitar que a desvalorização afete a sua economia.

 

4. Quando António Borges deixou o FMI, escrevi que ele viria a comandar o governo de Portugal. Aí está!

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

 

 

 

Angela Merkl disse recentemente que "Austeridade não chega é preciso crescer". Vamos lá vêr se nos entendemos: quanto mais austeridade, menos poder de compra, o que  gera menos lucro para as empresas, o que dá origem a mais desemprego e menos poder de compra e por aí em diante, resultando em pobreza crescente.  Então como é que a Chanceler  alemã pode dizer que é preciso fazer mais pelo emprego e saúde das contas públicas, se a austeridade impede o crescimento e atrasa também a prazo o pagamento das dívidas soberanas acompanhadas de juros astronómicos? Como vamos pagar a dívida? Com mais dívida? Com mais juros ainda?  Se até os maiores experts em economia e o próprio FMI sabem que a austeridade não resulta, como é que se pode levar a sério esta senhora que se contradiz de maneira tão estapafúrdia sem sequer ter a mínima noção disso? 



Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds